ENSAIOS QUÍMICOS DE MINÉRIO

POR ESPECTRÔMETRO DE FLUORESCÊNCIA DE RAIO X

Fluorescência de Raios-X (XRF) é uma técnica analítica para realizar análise elementar em vários tipos de amostras, a técnica de XRF possui altíssimo níveis de precisão e exatidão, as amostras são preparadas em forma de pastilha fundida ou prensada sendo possível analisar elementos de Berílio (Be) a Urânio (U) em concentrações abaixo de ppm até 100%.

 

Ensaio de óxidos totais e traços em minério de:

 

 

  • Bauxita
  •  Minério de Ferro
  •  Argilas

ENSAIO DE MINÉRIO DE BAUXITA E FERRO

Sondagem em Minério

 

Bauxita

As sondagens de minério são realizadas com equipes técnicas especializadas, utilizando equipamentos de última geração para este segmento. Por meio de sondagem rotativa, aliado a um método de investigação geológica-geotécnica, que consiste no uso de um conjunto moto mecanizado, a finalidade é obter amostras de materiais rochosos, contínuos e com formato cilíndrico, através da perfuração.

Preparação de Amostra de Minério

 

Bauxita

A entrada de amostra no laboratório é dada com a identificação da mesma, realizando o quarteamento, secagem e pulverização em britadores e moinhos de disco, trabalhando sempre com granulometrias abaixo de 100#.

Peneiramento a Seco / Úmido de Minério

 

Bauxita

A mesma tem por objetivo a eliminação da matéria orgânica e outros resíduos presentes na amostra. A peneira utilizada para retenção do material fica a critério do cliente, lembrando sempre que a malha escolhida segue padrões conforme a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Ensaios Químicos de Minério

 

Bauxita

As análises realizadas são de alta qualidade, sendo as mesmas certificadas pelo IPT – Instituto de Pesquisa Tecnológica. Segue os tipos de análises que nosso laboratório realiza:

 

  • Determinação de Alumina Aproveitável.
  • Determinação de Sílica Reativa.
  • Determinação de Óxidos totais – Al2O3, SiO2, Fe2O3, TiO2, MnO, P2O5, K2O, Na2O, CaO, MgO, ZrO2, V2O5, ZnO, Cr2O3, CuO, Ga2O3, SO3.
  • Determinação de Perda ao Fogo (LOI).
  • Determinação de Umidade.
  • Determinação de Decantabilidade ou Sedimentação.
  • Determinação de Carbono Orgânico Total (TOC)

 

Ferro

As análises realizadas são de alta qualidade, segue os tipos de análises que nosso laboratório realiza:

  • Determinação de Fe Total
  • Determinação de FeO.
  • Determinação de Óxidos totais – Al2O3, SiO2, TiO2, Mn, P, K2O, Na2O, CaO, MgO, Cr2O3.

SOLO PARA FERTILIDADE

As análises realizadas são de alta qualidade, sendo as mesmas certificadas pelo IAC – Instituto Agronômico de Campinas. Segue os tipos de análises que nosso laboratório realiza:

Como Retirar

amostras de solos para análises

 

A amostragem é a etapa mais crítica, considerando que uma pequena porção de terra irá representar uma área muito grande. Por isso, é muito importante que a realização da amostragem seja baseada em dois princípios a serem seguidos rigidamente:

 

  1. Cada área a ser amostrada deve ser a mais homogênea possível;
  2. Um grande número de pontos de amostragem deve ser feito dentro da área (subamostras, amostras simples), sendo depois misturados para formar uma única amostra representativa (amostra composta).

Material básico:

 

  • Recipientes (sacos de plástico robustos) para cerca de 500g de amostra; Identificadores (etiqueta e/ou escrita direta) para os dados que vão identificar a amostra (nome do proprietário, data da amostragem, cultivo, análises requeridas).
  • Jamais devem ser reutilizadas embalagens de quaisquer produtos, pois os resíduos podem alterar os resultados.

Instruções:

 

  1. Dividir a área total a ser amostrada em porções de terra com características semelhantes: Cada uma dessas áreas deverá ser semelhante quanto à cor, topografia, textura e quanto às adubações e calagem que receberam. As porções de terra resultantes dessa divisão não deverão ter tamanho superior a 10 hectares, mesmo que sejam idênticas.
  2. Evitar coletar amostras em pontos atípicos: Áreas ou manchas com aspecto muito diferente do restante da superfície selecionada devem ser evitadas. Não retirar amostras de locais próximos a residências, galpões, estradas, formigueiros, depósitos de adubos e/ou quando o terreno estiver encharcado.
  3. Percorrer a área selecionada em ziguezague para cobrir toda a sua extensão: Cada uma das áreas escolhidas deverá ser percorrida em ziguezague retirando-se amostras de 15 a 20 pontos diferentes, que deverão ser colocadas juntas num recipiente limpo (balde plástico, por exemplo). Todas as amostras individuais de uma área semelhante deverão ser muito bem misturadas dentro do balde, retirando-se uma amostra final, em torno de 500g.
  4. No ponto de amostragem: Limpar superficialmente a vegetação, restos culturais e outros resíduos, evitando retirar camadas de solo. Se for utilizado o enxadão, faça uma cova com 20 cm de profundidade e, com uma pá reta, retire uma fatia de uma das paredes na cova. Outros equipamentos também podem ser utilizados, como o trado. Nesse caso, não é necessário fazer a cova, a limpeza dos resíduos superficiais é suficiente.
  5. Profundidade de retirada da amostra: Para uma análise de rotina, a amostra deve ser feita na camada de 0 a 20 cm de profundidade.
  6. Época de amostragem: A análise do solo é feita para prevenir possíveis falhas do solo em atender às necessidades nutricionais das culturas. Portanto, a época a ser feita a amostragem do solo deve estar de acordo com a época de implantação da cultura, observando-se sempre uma antecedência suficiente para encaminhar a amostra, receber os resultados, estabelecer as recomendações técnicas de corretivos e fertilizantes e fazer o pedido desses produtos em tempo. Deve-se lembrar de que a maioria dos calcários comercializados no Brasil exige um período mínimo de 3 meses para reagir completamente. Sugere-se uma antecedência de pelo menos 4 meses em relação à época do plantio. Indicar perfeitamente cada amostra, seguindo a mesma identificação constante nos seus apontamentos particulares. Encaminhar a amostra para o laboratório.

Obs.: As amostras simples devem sempre conter o mesmo volume do solo, para evitar que um ponto seja mais representado que outro na amostra composta.

Por que fazer a análise de solo?

 

As plantas, em geral, obtêm os nutrientes que precisam através do solo.

 

  • Análise Química: Os resultados obtidos estão relacionados com a natureza dos minerais do solo e a disponibilidade de nutrientes presentes.

 

  • Análise Física (Granulométrica): Os resultados obtidos permitem determinar a textura do solo e a quantidade de água necessária para definir os métodos de irrigação em diversas culturas.

O que devo fazer para melhorar a fertilidade do meu solo?

 

Normalmente se utilizam dois tipos de produtos: O calcário para corrigir a acidez do solo e os fertilizantes, ou adubos, para corrigir a falta de nutrientes. A decisão do que, quando e quanto aplicar de calcário e fertilizante, somente deve ser feita com base na análise do solo com o auxílio de um agrônomo.

 

Localizado em uma região onde a atividade agrícola é intensa, oferecemos aos agricultores um serviço de extrema importância: as análises química e física do solo. Através destas análises, o agricultor pode saber como está a fertilidade do solo e obter indicações corretas sobre o tipo e a quantidade de calcário e adubo a serem aplicados em cada gleba de sua propriedade.

 

Com foco em qualidade e excelência, o L.A Teixeira possui selo que atesta a competência técnica do laboratório na análise do solo. Emitido pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), o certificado contempla os ensaios de Macronutrientes, Micronutrientes e Granulometria.

 

  • Macronutrientes: Matéria Orgânica, pH,  Fósforo, Potássio, Cálcio, Magnésio, Alumínio Trocável, Acidez Potencial, Enxofre

 

  • Micronutrientes: Boro, Cobre, Ferro, Manganês, Zinco.

 

  • Análise Física (Textural): Argila, Silte, Areia Total, Areia Grossa, Areia Fina.

TECIDO VEGETAL (FOLIAR)

Análise Foliar

 

A folha, normalmente, é a parte da planta utilizada na análise foliar, isto se deve ao fato da folha ser a sede do metabolismo, refletindo, na sua composição, as mudanças nutricionais.

 

A análise foliar é que vai indicar se os fertilizantes aplicados ao solo estão sendo realmente aproveitados e se os nutrientes fornecidos estão balanceados conforme as exigências da cultura. O desequilíbrio entre nutrientes na planta pode ocorrer em razão de alguma falha de manejo que passa despercebida, mesmo quando se faz uso de adubações pesadas e frequentes. O fornecimento desproporcional pode prejudicar a produtividade tanto quanto uma condição de deficiência de um determinado nutriente.

 

Comparativamente aos macros nutrientes, os micronutrientes têm mais limitações quanto à avaliação de sua disponibilidade e definição da adubação com base apenas na análise de solo. A folha reflete melhor o que a planta consegue extrair do solo.

 

Do mesmo modo que a amostragem do solo para fins de avaliação da fertilidade, a amostragem do tecido vegetal é uma das etapas mais importantes para aumentar a probabilidade de sucesso no uso da análise foliar.

Aspectos devem ser considerados, com o objetivo de padronizar os critérios de amostragem:

 

  1. As folhas recém-maduras são os órgãos da planta que melhor refletem o estado nutricional da cultura, sendo, portanto, as mais indicadas para serem amostradas;
  2. A época do ano, a posição da folha no vegetal, o número de folhas por planta e por gleba devem ser padronizados;
  3. Cada amostra deve ser coletada em plantas da mesma cultivar, com a mesma idade e que representem a média da população;
  4. Escolher para a coleta apenas as folhas inteiras e sadias, evitando folhas atacadas por pragas e doenças;
  5. Em áreas onde as plantas apresentem sintomas de deficiência, áreas com ocorrência de manchas de solo, afetadas por salinização ou sujeitas à inundação, devem ser amostradas separadamente;
  6. Não se devem coletar amostras de folhas quando, nos dias antecedentes, aplicaram-se fertilizantes e defensivos ao solo ou nas folhas, ou após períodos intensos de chuvas;
  7. Após a coleta, devem-se acondicionar as amostras em sacos de papel, identificando-as e enviando-as, imediatamente, para um laboratório.

AMOSTRAGEM PARA

ANÁLISE FOLIAR DAS PRINCIPAIS CULTURAS

Análise Foliar

 

Alface

Época: Formação da cabeça

Tipo de folha: Folhas recém-maduras

Número de folhas por ha: 40

 

Arroz

Época: Meio do perfilhamento.

Tipo de folha: Folha Y (posição ocupada em relação à folha mais nova desenrolada acima).

Número de folhas por ha: 50.

 

Batata

Época: Meio do ciclo, 35-45 dias após emergência.

Tipo de folha: Pecíolo da 4ª folha a partir da ponta.

Número de folhas por ha: 30.

 

Milho

Época: Aparecimento da inflorescência feminina (cabelo).

Tipo de folha: Folha oposta e abaixo da espiga.

Número de folhas por ha: 30.

 

Roseira

Época: Início do florescimento.

Tipo de Folha: Folhas recém-desenvolvida com 5 folíolos.

Número de folhas por ha: 20.

 

 

Café

Época: Primavera-verão.

Tipo de folha: 3º e 4º pares de folhas, a partir da ponta, ramos a meia-altura e produtivos.

Número de folhas por ha: 30.

 

Couves

Época: Meio ciclo.

Tipo de folha: Folhas recém-maduras.

Número de folhas por ha: 40.

 

Feijões

Época: Início da floração.

Tipo de folha: Primeira folha amadurecida a partir da ponta do ramo.

Número de folhas: 30.

 

 

Também possuímos o Certificado de Controle de Qualidade das análises de tecido vegetal, conquistado junto à ESALQ/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), o que nos garante a aquisição de selos que atestam essa qualidade.

 

Nitrogênio, Potássio, Fósforo, Cálcio, Magnésio, Enxofre, Ferro, Manganês, Cobre, Zinco, Boro, Silício, Alumínio, Cloro.

MONITORAMENTO AMBIENTAL

O Monitoramento ambiental é um processo de coleta de dados, estudo e acompanhamento contínuo e sistemático da presença de poluentes no meio ambiente.

O monitoramento, além de direcionar as ações de licenciamento ambiental, tem como a finalidade identificar e informar as condições naturais atual do meio ambiente, bem como as tendências ao longo do tempo.

Os nossos serviços:

 

Águas

Para verificar se a água está apropriada aos diversos usos que dela fazemos, como consumo humano, irrigação, lazer, entre outros é necessário a realização de ensaios específicos para cada tipo de água, Através desses ensaios é possível identificar se a água está adequada ao uso. Para cada uso requer uma qualidade específica.

Os nossos serviços para estes produtos são:

 

  • Ensaio Físico-químico e Microbiológicos de Água Potável

 

  • Ensaio Físico-químico e Microbiológicos de Água Subterrânea

 

  • Ensaio Físico-químico e Microbiológicos de Água Superficial

 

  • Ensaio Físico-químico e Microbiológicos de Água Industrial.

Efluente

Promover uma destinação correta dos resíduos gerados tem sido uma preocupação frequente por parte de organizações de todos os setores. Dentre as razões para se optar pelo tratamento adequado dos efluentes estão os benefícios ambientais e a prevenção de danos de impacto no ecossistema, além de necessariamente se adequarem aos parâmetros estabelecidos pelas normativas. Com a ação, evita-se a alteração das características do solo e da água, além da poluição e da contaminação destes recursos naturais.

 

Os serviços que prestamos para este produto são:

 

  • Ensaio Físico-químico em Efluente Líquido.
  • Ensaio Físico-químico em Efluente Industrial.

Emissões Atmosféricas

A atmosfera é composta de uma massa de gases onde constantemente ocorrem reações químicas. Ela absorve uma diversidade de sólidos, gases e líquidos provenientes de fontes naturais e industriais, que podem se dispersar, reagir entre si ou com outras substâncias já presentes na atmosfera.

 

Os serviços que prestamos para este produto são:

 

  • Amostragem e Determinação de Partículas Inaláveis pelo Método de AGV-MP10
  • Amostragem e Determinação da Concentração Mássica de Partículas Totais em Suspensão pelo Método de AGV-PTS
  • Separação e Coleta de Fluoreto Gasoso e Particulado na Atmosfera
  • (método de amostragem por fita de papel duplo)
  • Determinação de Material Particulado (MP),
  • Determinação de Enxofre (SO2) em Chaminés de Dutos Estacionários,
  • Determinação de Fluoreto
  • Determinação de Monóxido de Carbono (CO),
  • Determinação de Hidrocarbonetos (HC),
  • Determinação de Dióxido de Nitrogênio (NOx),
  • Determinação de Haletos e Hidrogênio e Halogênio em Fontes Estacionárias.

RUÍDO AMBIENTE

A poluição sonora se caracteriza pela emissão de ruídos que, de forma isolada ou combinada, podem causar incomodidade. Este tipo de poluição provoca graves efeitos sobre a saúde do homem, especificamente: Perturbações psicológicas ou fisiológicas associadas às reações de stress, alterações de humor, falta de concentração, hipertensão arterial, distúrbios cardiovasculares, e problemas graves no aparelho auditivo, como a perfuração parcial do tímpano ou surdez total.

 

Os serviços que prestamos para este produto são:

 

  • Medição de Ruídos Ambiental Interno e Externo.

ALIMENTO

Os serviços que prestamos para este produto são:

 

  • Ensaio Físico-químico.
  • Ensaio Microbiológico.
  • Ensaio Microscopia.
  • Rotulagem Nutricional de Alimento.

Análise para rotulagem de produtos alimentícios

Desenvolvido por Banana, Canela e Design